www.gdcreixomil.maisbarcelos.pt
ENTREVISTAS

 

 


Aurélio Reis

Campeão Regional Minho BTT

Veteranos A


 

CAMPEÃO POPULAR SÉNIOR

          ÉPOCA 1995/96

 

 

 CAMPEÃO POPULAR SÉNIOR

          ÉPOCA 1998/99

                       

   

CAMPEÃO POPULAR JUNIOR

          ÉPOCA 2007/08

 

 

  CAMPEÃO REGIONAL BTT

           ÉPOCA 2006

 

 

Tudo sobre as Comemorações do 25º Aniversário em Actividades e Galeria de Fotos

 

 

 

 

 

CARLOS FARIA

VICE-CAMPEÃO NACIONAL

SECÇÃO BTT 2008

CATEGORIA DE CADETES

 

 

 

 

 



 
Imprimir esta página

 

Julho 2006

               A equipa principal do Grupo Desportivo de Creixomil não iniciou a sua participação no Campeonato de Futebol Popular desta época da melhor maneira. Os resultados teimavam em não aparecer tendo o treinador Daniel Raimundo apresentado a sua demissão, facto que todo o Grupo lamentou mas aceitou e percebeu. Assim, a Direcção teve que procurar alguém com as características pretendidas, isto é, alguém trabalhador, conhecedor de futebol e conhecedor do G.D.Creixomil. A pessoa escolhida foi Francisco Pereira, mais conhecido por “Xico Zé”.

Vamos nesta pequena entrevista tentar perceber como foi esta experiência.

 

WWW – Chegou ao comando técnico da equipa de G. D. Creixomil no inicio da 2ª Volta do Campeonato. Que equipa é que encontrou?

X.Z. – Encontrei uma equipa descrente, desmotivada mas com vontade de melhorar.

WWW – Foi fácil fazer passar a mensagem e as ideias de um novo treinador a um grupo de trabalho já formado?

X.Z. – Foi fácil, porque com um grupo excelente e unido como o que encontrei foi só transmitir confiança e motiva-lo, depois com trabalho os resultados tinham que aparecer.

WWW – Os associados e simpatizantes do G.D.Creixomil estão habituados a ver a sua equipa nos lugares cimeiros da classificação, mas esta época isso não aconteceu. Na sua opinião a que se deveu esta situação?

X.Z. – Penso que o inicio da época não foi bom, com muitos resultados negativos. Uma equipa que perca muitas vezes fica mais ansiosa, nervosa e desmotivada e assim os resultados não acontecem. Foi isso que sucedeu e por isso um campeonato menos positivo.

WWW – Terminada a época como a classifica, os objectivos que lhe propuseram foram cumpridos ou era possível melhor?

X.Z. – Propuseram-me a manutenção, e felizmente isso aconteceu até bastante cedo. Aqui e ali com melhor sorte e melhores arbitragens certamente faríamos mais alguns pontos. Foi uma segunda volta muito positiva.

WWW – Que aspectos gostaria de salientar, positivos ou negativos, sobra a época que agora terminou?

X.Z. – Apenas aspectos positivos. Foi um grupo muito forte e unido com muita vontade de melhorar e de vencer, e assim dar alegrias a toda a gente que nos acompanhava.

WWW – O G.D.Creixomil tem também uma equipa de juniores a qual recorreu no final da época para colmatar algumas ausências. Que mensagem gostaria de deixar a estes jovens e aos seus responsáveis?

X.Z. – Irei aproveitar ao máximo o trabalho desenvolvido pelos responsáveis dos juniores que estão a fazer um excelente trabalho, e a prova disso é que na próxima época irão fazer parte do plantel quatro jogadores dos juniores.

WWW – Uma palavra sobre a Direcção, como a classifica?

X.Z. – Uma Direcção excelente, sempre a apoiar o grupo, fazendo sempre os possíveis para não faltar nada e dar as melhores condições.

WWW – sendo o Xico Zé alguém que sem de fora de Creixomil, que imagem tem o Clube e os seus associados no exterior?

X.Z. – Um Clube bem organizado e estruturado. Se calhar gostaria de ver um maior número de apoiantes nos nossos jogos.

WWW – A próxima época já está a ser planeada com o Xico Zé como treinador?

X.Z. – Sim, a maioria da equipa irá manter-se. Há um ou outro caso que ainda está pendente, mas o mais importante foi assegurar a continuidade deste grupo de trabalho. Vamos dar mais juventude á equipa e tentar equilibrar alguns sectores.



 

 Julho 2006

 

 

 

 

 

 

 

Carlos Manuel, chegou á equipa do G.D.Creixomil no decorrer da época 2001/2002 e ai permaneceu mais três épocas, sendo que nas duas ultimas acumulou as funções de Jogador e Director. Terminou a sua carreira como jogador no G.D.Creixomil na época 2004/2005. Aceitou no inicio desta época aceder ao comando Técnico da equipa de Juniores, que conseguiram excelentes resultados para o G.D.Creixomil no Campeonato de Futebol Popular de Juniores, que recentemente terminou.
Fomos saber como foi esta sua primeira experiência de treinador.

 

WWW – Como e em que contexto surgiu a oportunidade para treinar os Juniores do G.D.Creixomil?

C.M. – Na parte final da época anterior, e ainda como director, acompanhei esta equipa juntamente com o Rui André numa altura em que esta tinha ficado sem o seu técnico. Foi pouco tempo mas ficou a ideia que tínhamos ali valores que, com o acompanhamento devido, seriam capazes de muito melhor. Depois o Rui assumiu o departamento e convidou-me para ser o treinador. Ponderei muito a situação, mas como somos grandes amigos não pude recusar o convite e aceitei o desafio.

WWW – Como classificas a tua primeira experiência como treinador?

C.M. – Muito gratificante. Mexeu muito com os meus sentimentos. Apesar de ter muitos anos de futebol foi algo que me marcou bastante. Houve momentos pelos quais passei que jamais me esquecerei.

WWW – Como é lidar com jovens desta idade?

C.M. – De inicio pensei que seria algo complicado, pois iria lidar, como é costume dizer, com a “Geração Rebelde” mas isso não se passou, foram do melhor. Tudo o que tentei passar para eles foi bem recebido. Senti sempre um grande respeito por parte deles.

WWW – Desportivamente como consideras que correu a época agora terminada?

C.M. – No geral superou as minhas expectativas. Quando se inicia um projecto como este pensa-se sempre em grande, mas não esperava tanto. Até o nível de futebol que apresentamos me superou.

WWW – Seria possível melhor? Porquê?

C.M. – Desportivamente era possível, pois o lugar eticamente correcto era o quinto. Houve quem usasse argumentos vergonhosos, que nunca imaginei possíveis num campeonato de jovens em que o mais importante é a formação e a educação desportiva dos atletas. A única tristeza que sinto nesta experiência é que, apesar de jogarmos sempre limpo, a verdade desportiva deste campeonato não imperou.

WWW – Em termos de apoio por parte da Direcção, como o classificas?

C.M. – Da parte do Departamento de Juniores foram inexcedíveis, tive sempre um apoio do melhor, inimaginável. A nível geral da Direcção, sinto-me um pouco frustrado porque acho que poderiam ter feito um pouco mais, não por mim, mas pelos jogadores, já que são eles o futuro do Clube.

WWW – Na tua opinião, qual será o desempenho desta equipa na próxima época, sabendo da saída de atletas importantes?

C.M. – É uma equipa que terá percas importantes, é um facto. Em termos futebolísticos a equipa vai perder. Mas os que ficam dão garantias que, com alguns ajustes, farão um campeonato ao nível do anterior. São jovens com muito valor, e que dão garantias de um futuro promissor ao Clube.   

WWW – No futuro vais continuar a ser o treinador dos Juniores do G.D.Creixomil?

C.M. – Já fui convidado, mas é uma situação que ainda estou a ponderar.

 

 

 

 

 

 

 Dezembro 2007

 

 

 

 

 

 

 

 

A equipa sénior do Grupo Desportivo de Creixomil, desportivamente, está atravessar um momento menos bom. O treinador Manuel Duarte acabou mesmo por sair em face dos maus resultados. Para tentar tirar a nossa equipa desta situação a Direcção contratou um novo técnico. A aposta recaiu no treinador Lino Sousa, um homem com um vasto curriculum no futebol, mas que no “nosso meio” é um ilustre desconhecido. No sentido de o dar-mos a conhecer efectuamos uma pequena entrevista que passamos a divulgar.

 

 

 

 

WWW – Quem é o treinador Lino Sousa?

Lino Sousa – Desportivamente comecei no futebol como jogador dos juniores do Gil Vicente, depois passei para os seniores e joguei lá três anos até ir para a tropa, para a guerra na Guiné. Quando regressei o Gil tinha subido de divisão e começava a treinar à tarde em vez de o fazer à noite como anteriormente. Como não tinha disponibilidade para treinar à tarde acabei por deixar o clube e enveredar pelo futebol regional. Passei por vários clubes como Forjães e Santa Maria, na altura na 3ª divisão nacional, e outros de menor dimensão. Aos 37 anos e depois de partir uma perna a jogar futebol dei inicio à minha carreira de treinador. Andei pelos regionais onde subi equipas como Fragoso, Roriz e Alvelos e treinei outras como S.Verissimo, S.Paio de Antas e Castelenses, sendo este o meu último clube nos regionais. No Popular tive apenas uma experiência que durou talvez uns dois meses no Tamel S. Fins. Acabei por ser eu a deixar o clube porque entendo que um treinador deve ter pelo menos jogadores para treinar. Quando no último treino que efectuei tive apenas três jogadores entendi que não deveria continuar, uma vez que o trabalho é feito durante a semana, porque ao domingo qualquer um é treinador.

 

 

WWW - Com estes primeiros dias de trabalho qual é a sua opinião sobre este conjunto e o Clube em si?

L. S. – Começando pela parte directiva, sinto que as pessoas me estão a dar toda a colaboração e são pessoas compreensivas, se calhar reconhecem que deveria ter vindo no inicio da época e não agora. Assim poderia organizar a equipa e molda-la mais à minha forma de estar no futebol. É evidente que chegar e ter logo que obter resultados positivos é complicado, mas sinto que me puseram à vontade. Felizmente consegui que os jogadores percebessem o que queria. São rapazes muito humildes e colaboradores. Um treinador não faz nada se não tiver a colaboração dos seus jogadores. Como eles têm trabalhado e colaborado comigo já obtivemos resultados “meio-positivos”. O importante é sentir que estamos no caminho certo. Sinto que os jogadores me estão a ouvir.

 

WWW - O G.D.Creixomil encontra-se numa situação algo complicada

na tabela classificativa. Na sua opinião como é que será possível inverter esta situação?

L. S. – A minha primeira atitude era tentar melhorar a equipa no aspecto físico e táctico. A equipa no aspecto técnico não tem grandes valores. No entanto se a equipa surgir, em termos de disposição em campo, tacticamente melhor organizada e um pouco mais forte fisicamente iremos obter resultados. Eu já sei que aqui, tecnicamente, não tenho grandes jogadores mas se tacticamente tivermos uma boa postura e aquela garra que é necessário neste futebol popular, penso que vamos sair rapidamente do sítio onde estamos.

 

WWW – Com as novas regras do Futebol Popular para esta época, os Clubes podem inscrever novos jogadores até ao dia 28 de Dezembro. Visto que no plantel do G.D. Creixomil ainda há uma vaga para um “estrangeiro”, ela será preenchida?

L. S. – Nas duas semanas que levo de trabalho, noto que esta equipa precisa de jogar um pouco mais a bola, trocar mais a bola entre si. Falta neste plantel talvez um médio organizador de jogo. Mas com certeza não será fácil encontrar essa solução nesta altura.

 

WWW – Como homem do futebol federado, que imagem tem do nosso Popular?

L. S. – Eu não posso dizer que tenho uma imagem do Futebol Popular. Andei afastado do futebol desde que deixei os regionais, há 7/8 anos, e não acompanhava muito este campeonato. Via um jogo ou outro, mas não posso dizer que conheço o Popular. Não sou um conhecedor do Futebol Popular.

 

WWW – O Clube tem no seu plantel alguns jogadores que ainda têm idade júnior, estando mesmo inscritos nos dois campeonatos. Consigo estes atletas jogarão apenas na equipa sénior ou haverá alguma cooperação entre as duas equipas?

L.S. – O que pretendo é seguir a ideia que a Direcção tem sobre este assunto, ou seja, socorrermo-nos dos juniores para qualquer eventualidade. Mas posso dizer que têm aqui três juniores pelo menos que, se não houver inconveniente nenhum, gostaria de os ter comigo. São eles o Hélder, o Nuno e o Pimenta. São jogadores que serão o futuro do G.D. Creixomil. Poderá haver mais mas ainda os estou a conhecer aos poucos.

 

WWW – Para terminar, quer deixar alguma mensagem aos sócios do G.D.Creixomil?

L. S. – Sou uma pessoa muito dedicada ao meu trabalho. Levo as coisas muito a sério, vou trabalhar muito para que esta equipa se torne cada vez mais equipa, para tentar sair rapidamente da zona de despromoção para depois andarmos um pouco mais tranquilos. Claro que é sempre bom ter os sócios a apoiar a equipa, tanto nos bons momentos como nos maus. Principalmente nos maus.

 

 


Setembro 2007

 

 

 

 

 

Pelo quarto ano consecutivo o Grupo Desportivo de Creixomil participa com a sua equipa de juniores no Campeonato de Futebol Popular de Barcelos, organizado pela A.F.P.B. . Passados estes anos já é possível verificar que valeram a pena todos os sacrifícios e trabalhos de quem “ousou” dar início a esta aposta, pois os resultados começam a ser visíveis a todos. Alguns “meninos” que começaram a aventurar-se no futebol há quatro anos atrás neste Clube, são hoje jogadores a ter em conta no plantel sénior e muito utilizados pelo treinador principal. Um desses casos é o nosso conhecido Hélder Oliveira, que esta época para além de fazer parte do plantel da principal equipa é também o capitão dos juniores. Vamos agora dar a conhecer a entrevista que lhe fizemos e onde ele no final confessou não ter muito jeito para estas coisas…

 

 

WWW – Hélder este é o teu 4º ano que vais jogar no G.D.Creixomil. Foi aqui que deste os teus primeiros chutos na bola. Agora és capitão da equipa de juniores! O que significa isto para ti?

Hélder Oliveira – Sou dos jogadores mais velhos da equipa, estou aqui desde que o G.D.Creixomil começou com os juniores e gosto muito do Clube. Foi aqui que comecei por isso ser capitão desta equipa é importante para mim.

 

WWW – Que comparação fazes deste conjunto com os anteriores em que participaste?

H. O. – Acho que em relação ao ano passado perdemos alguns jogadores importantes no sector da defesa e também no ataque. Mas por outro lado no meio campo e nas laterais estamos melhores este ano.

 

WWW – Até onde é que esta equipa pode chegar?

H. O. – Acho que podemos lutar pelos três primeiros lugares da tabela classificativa. Acho que temos valor suficiente para isso. E claro, como nos outros anos, vamos tentar também a Taça Disciplina.

 

WWW – Tens sido utilizado em várias posições, tanto nos seniores como nos juniores. Qual a que mais gostas de jogar?

H. O. – A posição em que eu gosto mais de jogar é a médio mas encostado às linhas, seja no lado esquerdo ou direito. Ultimamente até tenho actuado nessa posição nos seniores, mas nos juniores isso não acontece muito, mas jogo onde for preciso.

 

WWW – Falando um pouco da equipa sénior, que também fazes parte, esta atravessa um momento menos bom, tendo mesmo mudado de treinador. A que achas que isto se deve?

H. O. – Se calhar o “defeito” era do treinador anterior que não foi muito feliz em algumas situações. Também não treinava muito bem a parte física e acho que não conseguiu comandar muito bem a equipa.

 

WWW – Qual a tua opinião em relação ao novo treinador?

H. O. – Ainda fizemos poucos treinos com ele, mas acho que é um bom treinador, é rigoroso. E ao contrário do anterior este trabalha muito a parte física.

 

WWW – Este campeonato, há semelhança do anterior, tem apenas oito Clubes inscritos num universo de 30 participantes no Futebol Popular. Porque é que achas que existem sempre poucos Clubes a apostar na formação?

H. O. – Se calhar os que não participam é porque não têm condições para terem juniores, ou não querem estar com esse trabalho. Mas acho que todos deveriam formar novos jogadores para um dia mais tarde terem quem jogue nos seniores. Talvez se diminuíssem os custos de inscrição neste campeonato as equipas aparecessem.

 

WWW – Gostavas de deixar uma mensagem aos sócios do teu Clube?

H. O. – Gostava que todos os sócios apoiassem mais a equipa de juniores. Acompanham mais os seniores, mas deviam fazer o mesmo com a equipa de juniores porque eles também merecem.

 

 

 


Setembro 2007

 

 

 

 

 

 

Está prestes a ter início mais uma época para o escalão de juniores. Uma vez mais o Grupo Desportivo de Creixomil irá marcar presença com a sua equipa no Campeonato Popular de Barcelos. Depois de um ciclo de três épocas em que os jovens de Creixomil foram treinados por Carlos Manuel e apoiados pela direcção anterior, um novo ciclo se inicia com a nova Direcção, novos jogadores e um novo treinador para os comandar. A escolha recaiu sobre Eduardo Silva, um estreante nestas andanças que vamos tentar conhecer nesta entrevista que passamos a publicar.

 

 

WWW – Eduardo Silva esta é a sua primeira experiência como treinador. Como é que surgiu esta oportunidade?

Eduardo Silva – Tudo isto partiu do Presidente que me abordou nesse sentido. No princípio não me mostrei muito interessado. Ele acabou por insistir e eu, depois de pensar sobre o assunto, acabei por aceitar o desafio.

 

WWW – Como é que têm corrido estes primeiros tempos desta nova experiência? Algumas dificuldades?

E. S. – Tem corrido tudo bem. No início foi um pouco complicado, pois uma pessoa apenas para 27/28 miúdos era muito difícil. Mas agora está tudo a entrar na normalidade e acho que tenho um bom grupo de atletas.

 

WWW – Quais são os reais objectivos desta equipa de juniores do G.D.Creixomil?

E. S. – O primeiro objectivo é formar jogadores para os seniores. Temos já alguns jogadores que têm actuado nos seniores, como é o caso do Hélder e do Nuno, que nesta equipa de juniores são fundamentais. Com eles a equipa liberta-se mais e joga outro tipo de futebol. Sei que não vou poder actuar sempre com eles, mas mesmo assim vamos tentar o primeiro lugar. Sei que não depende só de nós, até porque não conheço todas as outras equipas. Mas confio no valor desta equipa.

 

WWW – Nesta equipa júnior de Creixomil existem jogadores que têm vindo a ser utilizados pela formação sénior. Agora que o Campeonato Júnior irá arrancar esta situação é para manter? Em que moldes?

E. S. – Em principio esta situação é para continuar, ou seja, jogarão pelas duas equipas. Até porque os próprios jogadores assim o pediram. Tenho conversado com os directores da equipa sénior sobre este assunto e chegaremos sempre a consenso na sua utilização. Se houverem jogadores que serão aposta do treinador sénior para o domingo, com certeza que serão poupados no sábado pelos juniores.

 

WWW – Qual é a sua opinião sobre este plantel? Dá-lhe garantias ou existem desequilíbrios em alguns sectores?

E. S. – Acho que tenho um plantel equilibrado, com pelo menos dois jogadores para cada posição. O único sector no qual posso vir a sentir alguma dificuldade em colmatar determinada contrariedade é o centro da defesa. Mas mesmo assim estou contente com o plantel que disponho.

 

WWW – O Futebol Popular, no capítulo da formação, ainda está a dar os primeiros passos. O que acha que deveria ser feito ou alterado para que mais equipas apostassem na formação?

E. S. – A formação é essencial para os clubes. Em relação aos custos de inscrição neste campeonato, até acho que estão ao alcance de qualquer clube. O problema é que a organização tem atitudes que desencorajam as poucas equipas que ainda existem. Alteram as regras da noite para o dia sem grande rigor, ao contrário do que sucede com os campeonatos seniores. Um exemplo é o facto de até há bem pouco tempo todos os jogadores tinham que ter, no máximo, 18 anos no dia em que o campeonato começar. No entanto, e depois de um clube com algum poder no seio da Organização ter pressionado em beneficio próprio, a data limite para esta situação passou de 15 de Dezembro para 31 de Agosto, isto sem que os outros clubes fossem avisados em tempo útil. Ou seja, o Carapeços, campeão na época anterior, de acordo com o pré estabelecido perderia boa parte dos seus atletas e assim consegue manter praticamente o mesmo plantel. Assim é custoso participar. Houve clubes que não se inscreveram porque não conseguiram reunir um número razoável de miúdos, mas se tivessem sido informados destas novidades em tempo útil talvez conseguissem mais jogadores.

 

WWW – Quer deixar uma mensagem aos sócios do Clube?

E. S. – Peço aos sócios que confiem nos miúdos e que os apoiem. Temos jogadores de qualidade, tanto da terra como de fora, que merecem todo o apoio. Só peço isso, apoiem estes miúdos que eles vão nos dar muitas alegrias.

 

 


Setembro 2007

 

 

 

 

 

 

 

 

Estamos a começar uma nova época de futebol. Este ano as expectativas são muitas devido ao facto de se terem operado muitas mexidas no plantel principal, força das circunstâncias de todos conhecidas. Ninguém melhor que o capitão Orlando Costa para nos transmitir o pulsar da nossa equipa.

 

 

WWW – Professor de música, membro do Orfeão de Carapeços, elemento do Grupo Coral de Creixomil, vocalista do Grupo Orquestra Lusitana, pai e ainda capitão do G.D.Creixomil. Como é que se concilia tudo isto?

Orlando Costa – Acima de tudo muito amor aquilo que é da minha terra. Desde que me conheço que ando aqui, faça chuva faça sol. É uma questão de gestão de tempo, sabendo que ás vezes a família fica para segundo plano, mas a seguir à música estará sempre o futebol.

 

WWW – Este é o XIII Campeonato Popular que o G.D.Creixomil marca presença(só não participou na 1ª edição), o Orlando esteve presente em todos eles. Muita coisa evoluiu (bem ou mal) desde o início. Que aspectos destacarias?

O.C. – Desde o início que a qualidade de jogo foi evoluindo, toda a gente começou a trabalhar melhor. Lá vai o tempo em que qualquer equipa vinha jogar a Creixomil só se preocupava em perder por poucos. No aspecto técnico-táctico teve uma evolução positiva felizmente. O jogar sem ser pelo amor à camisola, um pouco atrás do dinheiro é o mais negativo que encontro dado que aquele bairrismo que existia no inicio tende a desaparecer se assim continua.

 

WWW – O plantel sofreu grandes alterações em relação à época anterior. Como é que o “balneário” está a reagir neste início de época com todas estas caras novas?

O.C. – De inicio viveu-se alguma tensão pois não se sabia que saia e quem ficava. Pensava-se que esta época seria muito difícil levar o barco avante. Creio que houve uma semana que foi determinante em que se conseguiu garantir a continuidade de alguns jogadores da terra e trazer outros de fora de boa qualidade. Também foi importante a integração de alguns jovens vindos da formação com muito valor que trouxeram mais força, determinação e juventude á nossa equipa que estava a ficar um pouco avançada na idade. Mas nós, que somos da terra, é que temos que assegurar isto e ajudar os mais novos para que daqui a alguns anos possamos sair e o G. D. Creixomil continue com uma espinha dorsal de jogadores da terra e mantenha o mesmo nível.

 

WWW – Realizada a pré-temporada, a 1ª eliminatória da Taça e a 1ª Jornada do Campeonato que comentário te merece este novo plantel? Até onde o G.D.Creixomil 2007/2008 pode chegar?

O.C. – Este plantel não é muito desequilibrado. Em alguns sectores ainda haverá alguns ajustes a fazer, até pelas características de alguns jogadores ainda não estarem bem definidas. Acho que temos soluções para eventuais lesões e castigos que possam surgir ao longo da época. Com o apoio desta juventude que está a surgir vamos conseguir vencer todas as adversidades e acabaremos por realizar uma boa época.

 

WWW – Com toda a experiência acumulada ao longo de todos estes anos, se pudesses que mudarias no Futebol Popular?

O.C. – Se tivesse a capacidade de mudar alguma coisa mudaria, muito sinceramente, o limite dos jogadores estrangeiros a jogar em cada equipa para um máximo de dois a três jogadores. A aposta na formação tem que ser uma obrigação de cada Clube, se isso não acontecer tende-se a perder muito do que é o Popular. Algumas equipas nestes moldes ainda se vão aguentando enquanto houver dinheiro, depois têm aquela opção fácil que é de fechar as portas. Se o limite dos estrangeiros diminuísse a solução dos clubes tinha que passar pela formação e ai o espírito inicial do Popular iria prevalecer.

 

WWW – Que mensagem gostavas de deixar a todos os sócios e simpatizantes do G.D.Creixomil?

O.C. – A palavra que eu deixo aos sócios é “paciência”. Apoiem a equipa sempre em todas as situações. Entendam que este é um ano de viragem a vários níveis. No plantel entrou muita juventude e é natural que as coisas não vão correr sempre bem. Num ano em que chegou muita gente nova e partiram muitos jogadores de fora que eram como se fossem da terra aos anos que cá jogavam, é necessário muito apoio. Dêem sempre o benefício da dúvida. Nos trabalhamos três vezes por semana é para conseguir sempre o melhor para o Clube.


Setembro 2007



 

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois de um período conturbado, com muitas indefinições directivas, os sócios do Grupo Desportivo de Creixomil acabaram por se unir e encontrar uma solução directiva. Com todas estas indefinições vividas a equipa de futebol acabaria por sofrer as consequências. Com um grupo fragilizado a Direcção encontrou no treinador Sr. Manuel Duarte a pessoa certa para dar a volta a esta situação. É com o Sr. Manuel Duarte ao leme que todos acreditamos que esta nova equipa nos dará grandes alegrias.

 

WWW – G.D.Creixomil atravessou uma crise directiva neste defeso. Devido a todas as incertezas vividas neste período alguns jogadores fundamentais acabaram por sair. O que é que o levou, mesmo assim a aceitar o desafio de treinar o Clube?

Manuel Duarte – O que me levou a aceitar vir treinar o G.D.Creixomil foi a amizade que tinha e tenho com alguns elementos da actual Direcção. Principalmente com o Raimundo que é o Chefe do Departamento de Futebol.

 

WWW – O Sr. Manuel Duarte é a segunda vez que ocupa o cargo de treinador no G.D.Creixomil. A primeira vez foi na época 2000/2001 que terminou com um brilhante segundo lugar. Passados estes seis anos que diferenças encontrou?

M.D. – As condições de trabalho são praticamente as mesmas, já eram boas na altura. A diferença esta na equipa que encontrei, é completamente diferente. Há alguns jogadores da terra que ainda continuam, mas a estrutura que deixei há seis anos desapareceu.

 

WWW – Esta época o G.D.Creixomil estará envolvido em três competições. No Campeonato Popular, na Taça Popular e na Taça das Federações. Depois de tantas mexidas no plantel quais são os reais objectivos para esta época?

M.D. – O principal objectivo que me propuseram quando aceitei vir treinar o Creixomil foi o de assegurar a manutenção do clube na 1ª divisão. Foi isso que a Direcção me pediu. Depois de garantidos os pontos necessários para a manutenção, vamos tentar o melhor possível. Esse melhor possível será a aproximação aos lugares cimeiros. Nas Taças o objectivo é o de ir o mais longe possível.

 

WWW -  Qual é o balanço que faz a este primeiro mês de trabalho no Clube? O plantel está a corresponder?

M.D. – Para já estou surpreendido com a juventude que cá encontrei. Não pensava encontrar jovens formados cá com o valor e potencial que tenho visto. Não conhecia a formação do G.D.Creixomil. Sempre acompanhei o clube, mas desconhecia que existiam tão bons valores na sua formação.

 

WWW – O sr. Manuel Duarte é um treinador conhecedor do Futebol Popular. Se tivesse poder de decisão o que é que mudaria nesta competição?

M.D. – Eu abandonei o Futebol Popular alguns anos porque não concordava com a sua organização. Estive três anos e prometi a mim mesmo que não voltava porque não concordava com muito do que se passa no Futebol Popular. Sá aceitei voltar devido às fortes amizades que tenho com elementos desta Direcção. Como não tenho poder de decisão neste capitulo prefiro não entrar em pormenores.

 

WWW – Quer deixar uma palavra para os sócios e simpatizantes do G.D.Creixomil?

M.D. – Quero que continuem a apoiar o Clube, se possível ainda mais. Temos tido bons resultados, mas isto não vai ser só vitórias. Nos dois primeiros jogos oficiais tivemos duas vitórias, mas isso não quer dizer que vamos ganhar sempre. Têm que ter paciência porque esta é uma equipa nova. Vamos ter que sofrer para conseguir as vitórias que todos esperam.

 


Setembro 2007

 

 

 

 

 

 

 

 

Na equipa de BTT do Grupo Desportivo de Creixomil há um jovem que se tem vindo a destacar pelos excelentes resultados obtidos. Carlos Faria de seu nome, mas vulgarmente apelidado de “Rilhas”, está no seu primeiro ano na categoria de Cadetes. É natural da freguesia de Creixomil e está na nossa equipa desde o seu início, ou seja, há três épocas. Fomos entrevista-lo para que o possam conhecer melhor.

 

 

WWW - É normal ver jovens da tua idade a praticar outro tipo de desportos como o futebol. Porquê o BTT? O que é que te levou a escolher esta modalidade?

Carlos Miguel – Muitos colegas meus escolheram o futebol e eu também cheguei a ir, mas estava tudo cheio, já eram muitos e eu como era dos mais novos… Como já tinha participado numa prova de BTT e soube que o G.D.Creixomil ia criar uma equipa então escolhi esta modalidade. È diferente, há mais adrenalina…

 

WWW – Como é que um “betetista” prepara as suas provas?

C.M. – Temos que seguir o plano de treinos que o nosso treinador nos envia. Quando estamos próximo de uma prova os treinos são mais a rolar, menos puchados. Para ganhar uma corrida não é de uma semana para a outra, é um trabalho diário e durante vários meses. No BTT é muito diferente do futebol, enquanto lá se treina duas a três vezes por semana nós no BTT, se queremos estar bem no dia das provas, treinamos duas a três horas por dia apenas com um dia de descanso por semana.

 

WWW – Neste momento estás em 3º lugar no Campeonato Regional do Minho e em 4º lugar no Campeonato Regional do Porto, que são os dois campeonatos que disputas neste teu primeiro ano no escalão de Cadetes. Quais são os teus objectivos para esta época que está a terminar e para a próxima?

C.M. – Também tenho participado em algumas provas dos nacionais, mas lá é mais difícil de conseguir bons resultados porque a concorrência é maior e eu ainda estou no primeiro ano da minha categoria. Quanto aos Regionais as coisas têm corrido bem e vou tentar terminar os dois campeonatos na terceira posição. Para o ano o meu grande objectivo é ser Campeão Regional do Minho e fazer um bom lugar na Taça de Portugal.

 

WWW – O que é que gostavas que fosse feito em Creixomil para que mais jovens aderissem a esta modalidade?

C.M. – Mais incentivos à entrada de novos atletas para a nossa equipa. Talvez se fosse criado um trilho para bicicletas na nossa freguesia mais jovens poderiam aderir ao BTT. Assim até se podiam fazer treinos de captação para a equipa.

 

WWW – Com todos estes excelentes resultados que tens obtido desde que te iniciaste tens tido convites de outras equipas? Como é que respondes a essas propostas?

C.M. – É verdade que tenho tido alguns convites, mas o que eu lhes digo é para falarem com o meu director desportivo que ele é que sabe o que é melhor para mim. Mas neste momento sinto-me muito bem no G.D.Creixomil. É a minha terra, sou muito acarinhado aqui e não pretendo sair.

 

WWW – Queres deixar uma mensagem aos sócios e simpatizantes do G.D.Creixomil?

C.M. – Gostava de agradecer todo o apoio que me deram a mim e a todos os meus colegas na prova que se realizou em Creixomil. Continuem a apoiar-nos e se possível apareçam em mais provas, pelo menos ás mais próximas. Gostava que também se lembrassem que devem ajudar o BTT, o Clube já não é só futebol.